Geral

Milhões à Transul repercute na Câmara

PEDIDO DE INFORMAÇÕES QUER DETALHES SOBRE REPASSE DE R$ 2,3 MILHÕES À EMPRESA

Tem assinatura dos vereadores de oposição em Lages um pedido de informações querendo detalhes sobre o repasse pela prefeitura de Lages de R$ 2.360.400,00 à Transul. O montante se constitui compensação por perdas causadas pela pandemia, visto que a empresa deixou de faturar no período e tem esse direito ao aporte público.

O QUE PEDEM OS VEREADORES?

Liderados por Jair Júnior, os vereadores querem saber qual critério utilizado para chegar a esse valor de R$ 2.360.400,00.

O QUE A GENTE SABE?

O valor que a prefeitura despejou na Transul (em três parcelas entre outubro e novembro), na verdade deveria ter sido maior e não apenas esses R$ 2,3 milhões. Foi considerado como critério a quantidade de ônibus que deixou de rodar e a repercussão disso no faturamento. Mas numa estimativa abaixo do que seria a frota total que parou.

VAI TER MAIS MILHÕES

Os valores apurados na ordem de R$ 2,3 milhões se referiram ao período entre abril e outubro quando a Transul reduziu em quase 70% o número de usuários devido às medidas restritivas da pandemia. E como a restrição segue, a empresa tem direito ao aporte de mais valores a partir de novembro até agora em fevereiro (ou enquanto se manter a restrição). Proporcionalmente o município terá que aportar, no mínimo, mais R$ 1,5 milhão neste mês a título de ajuda à Transul.

NÃO É OPÇÃO DA PREFEITURA

Logicamente que é horrível saber que a Prefeitura de Lages está despejando essa fortuna na Transul, dinheiro que poderia servir para executar obras e melhorar essa infraestrutura viária da cidade que está um Deus me livre, inclusive devido às chuvas. Porém, é a legislação que determina esse aporte. Municípios como Joinville e Blumenau não socorreram as empresas e houve decisão judicial impondo essa obrigação. Ou seja, não é uma opção do município, mas um atendimento ao que diz o contrato, que é subordinado à legislação.

Essa questão de não ser opção da prefeitura pagar ou não foi explicada pelo vereador Agnelo Miranda (PSD)

FECHAMENTO DA TRANSUL

Argumentos de que a Prefeitura de Lages ajuda a Transul para que a empresa não feche não devem ser considerados para a situação. Não é papel do município tirar dinheiro dos cofres e enfiar em empresa privada para que a mesma não feche, independente do setor. O município faz tal aporte por exigência legal, inclusive não se está fazendo um favor à Transul quando ocorre a ‘ajuda’. Está se atendendo a norma.

EMBORA

Se a Transul seguir nessa tendência de esvaziamento de ocupação por outras opções de deslocamento pelos usuários, inclusive devido ao custo da passagem, é de se pensar a sustentabilidade do serviço já que a Prefeitura não pode ficar tirando dinheiro de outras prioridades para uma área que se visualiza eventual inviabilidade. E nesse quesito, os vereadores, de oposição e situação têm tarefa de ajudar fiscalizar, analisar e propor desfechos a respeito.

FECHAMENTO DA TRANSUL?

NÃO É BEM ASSIM!

Inclusive quando o presidente da Câmara, Gerson dos Santos, vai para o microfone dizer que o objetivo do prefeito Ceron aportando R$ 2,3 milhões à Transul era “impedir o fechamento da empresa para Lages não ficar sem transporte público”, tal argumento não é de todo verdadeiro. Primeiro porque o objetivo do dinheiro aportado é atender o contrato, a lei, independente se a empresa tem fôlego ou não para funcionar. Segundo que o não repasse desse dinheiro (R$ 2,3 milhões) não seria suficiente para decretar o fechamento da empresa, já que, mesmo sem tal montante, a empresa poderia se manter. Logo, cabe ao município tratar o assunto com tecnicismo, respondendo o pedido de informações dos vereadores e exteriorizando o assunto com transparência. Sem alarde!

Critério para definir valores à Transul seguiu a desativação de parte da frota no período da pandemia que reduziu o faturamento da empresa. E pela concessão, cabe ao município custear diferenças de faturamento para manter o equilíbrio econômico do contrato. Prefeitura não faz favor à Transul com o aporte, mas dar transparência ao repasse não tem contraindicação, inclusive porque o município terá que aportar mais dinheiro ainda à empresa

Fotos: Nilton Wolff

Compartilhe

2 comentários para: “Milhões à Transul repercute na Câmara”

  1. Isto é um absurdo, só no Brasil se vê atitudes como esta, e para as pequenas empresas o que o prefeito fez? A transul é uma empresa nacional não tem como quebrar, trabalha em diversas cidades deste país, como Florianópolis e tantas outras. Este montante poderia ser comprado em vacinas.
    O que é sabido nesta cidade é que a Transul sempre financiou as campanhas para prefeitos tanto é que eles se elegem dizendo SÓ VAMOS ASFALTAR POR ONDE PASSA ÔNIBUS DA TRANSUL e isto eles nunca esconderam. Então para asfaltar a minha rua devo pedir na prefeitura o asfaltamento ou na Transul para colocar uma linha de ônibus na minha rua que só assim será asfaltada.
    NUNCA REELEJA UM POLITICO!

  2. A Transul nunca se preocupou com o usuário. As linhas só atendem às ruas principais. São as mesmas linhas há 30 anos; só que a cidade cresceu! É só ver as linhas que atendem à região do Guarujá: entram apenas na 31 de março, e olhe lá! Parece que fez um enorme favor ao criar uma linha para o shopping. Aí quando se vê motoristas e cobradores indo trabalhar de moto, se vê o quanto o serviço da Transul é ruim. Eu pegava ônibus diariamente até março do ano passado. Por causa da pandemia, deixei de usar, e não voltarei a utilizar, por causa dos poucos ônibus, da distância que tenho que percorrer a pé até o ponto, e isso que moro próximo da São Joaquim, onde só passa 1 linha e de hora em hora! Com o surgimento do Uber, não vale a pena usar ônibus. A Transul deveria se modernizar, usar uns microônibus que entrassem mais dentro dos bairros, que fizessem outros trajetos e com menos intervalos. Mas parece que eles não querem. Minha opinião: tomara que vá a falência e suma da cidade, nós merecemos mais que essa esmola de tratamento que a Transul nos dá. Lages pode sim ser melhor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *