Geral

Mutirão: Prioridade a doentes com câncer

NA NARRATIVA SOBRE O LANÇAMENTO DO PROGRAMA FOI ANUNCIADO AINDA A FONTE DOS RECURSOS PARA CUSTEAR OS PROCEDIMENTOS

Durante o lançamento do programa estadual de cirurgias, a Secretária de Estado da Saúde, Carmen Zanotto, confirmou que a política e o protocolo de atendimento aos pacientes oncológicos estão sendo revisados: as cirurgias de câncer serão inseridas no sistema de regulação quando for oportuno o tratamento cirúrgico.

APONTA CARMEN QUE…

“Quem tem câncer tem pressa. Quanto mais cedo a doença for diagnosticada, as chances de cura serão maiores. Como secretária da Saúde, estou trabalhando para que as leis federais, de minha autoria, que garantem mais agilidade no diagnóstico e tratamento contra o câncer sejam cumpridas”.

Alguns números de procedimentos de diagnóstico (exames, exceto de laboratórios) que estão represados em SC

MAIS PRIORIDADES

Entre as prioridades apontadas no diagnóstico do Programa, está a ampliação  da oferta de procedimentos cirúrgicos do sistema digestivo, vias aéreas superiores e geniturinário (rede própria ou conveniada) para agilizar o atendimento.

CIRURGIAS CARDIOLÓGICAS

Para agilizar o atendimento, está em andamento a revisão do plano para a reorganização da Rede Estadual de Atenção em Alta Complexidade na Cardiologia, que vai promover a habilitação estadual de novos serviços em Alta Complexidade Cardiovascular, seguindo os critérios do Ministério da Saúde, para a realização de procedimentos executados apenas no centro de referência, como CDI (Cardioversor/desfibrilador) e cirurgias de válvula.

ENCAMINHAMENTO PARA PAGAMENTO

Será autorizado o processamento das autorizações de internação hospitalar cirúrgicas eletivas represadas para pagamento, respeitando os prazos de faturamento. É considerada prioridade a conclusão de salas cirúrgicas e centrais de materiais esterilizados, ampliando a oferta dos procedimentos e também a ampliação da capacidade da rede própria e conveniada na atenção ambulatorial e procedimentos diagnósticos.

DE ONDE VEM OS RECURSOS?

Porque não basta lançar um programa de amplitude e significado como esse, é preciso apontar as fontes de custeio, a equipe que trabalhou no mês de janeiro para concluir os dados apresentou também de onde sairão os recursos para custear os procedimentos:

Fundo Estadual de Saúde e dos Hospitais Filantrópicos: R$ 135 milhões

Recursos Extras do Fundo Nacional de Saúde: R$ 70 milhões

Recursos Fundos Municipais: R$ 30 milhões

No levantamento apresentado foram calculados os custos para executar os procedimentos represados

A satisfação no registro acima não é pelo problema que está sendo enfrentado, mas pelo fato de ser se vencido essa fase de levantamento dos dados e encaminhamento dos procedimentos. Governador Jorginho aposta bastante no conhecimento técnico da secretária Carmen Zanotto para dar resolutividade a uma situação que não pode ficar na fila à espera de solução

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *