Geral

O ensinamento de Moacir Pereira

ARTIGO DO JORNALISTA DO JORNAL NOTÍCIAS DO DIA É UM TAPA NA CARA DO AFOITISMO ANTES DE QUALQUER SENTENÇA

O escrito pelo jornalista Moacir Pereira, decano da imprensa catarinense, em seu espaço do Jornal Notícias do Dia, foi recortado e ganhou os grupos de redes sociais com repercussão em outros meios de comunicação além do Grupo ND. Moacir faz referência à condenação antecipada sofrida pelo desembargador alvo de denúncia de trabalho escravo.

ENTÃO

O jornalista fez referência à repercussão do episódio desde os meios de imprensa nacional e estadual até as redes sociais. Aborda o julgamento precipitado, afoito e maldoso daqueles que se antecipam ao devido processo legal. Ignora-se a presunção de inocência e, principalmente, ao chamado trânsito em julgado de uma sentença.

ASSIM

No ordenamento jurídico brasileiro – e acredito que na maior parte do mundo – ninguém é considerado culpado sem que todas as instâncias sejam vencidas, advindo a sentença transitada em julgado. Até lá – e o caminho é longo – não há culpado. E somente o Judiciário pode decretar isso.

ENTRETANTO

Em tempos de redes sociais e de um achismo sem precedentes, há uma antecipação de condenação, gerando reflexo na vida daquelas pessoas que, por culpa ou não, são alvo do julgamento precipitado.

O teor do conteúdo escrito por Moacir Pereira que você pode ler direto na fonte acessando aqui

EXEMPLO EM LAGES

Quando estourou a Operação Mensageiro, por algum equívoco não explicado o Gaeco incluiu um lageano na lista dos que houve solicitação de prisão preventiva. Pela fragilidade do argumento, o Judiciário não atendeu ao pedido do MP/SC. Agiu certo o Judiciário ao ponto de não ter sido encontrado nada que envolvesse a pessoa incluída. Mas a lista foi divulgada e a pessoa em questão perdeu o emprego, gastou com advogado, amargou o olhar desconfiado da sociedade e enfrenta até agora sofrimento sem precedentes.

E DAÍ QUE…

Com a ‘condenação antecipada’ imposta a alguém que se quer se tornou investigado na sequência do processo, como se corrige a postura apressada da divulgação, inclusive sobre algo que era segredo de justiça? Tem como corrigir uma situação dessas? Não. Nunca!

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *