Geral

Protesto na Serra do Corvo Branco

PRODUTORES RURAIS FIZERAM TRATORATA ATÉ O LOCAL QUE ESTÁ BLOQUEADO PARA PASSAGEM DESDE AS FORTES CHUVAS DE MAIO

Duas sequências de chuvas intensas no mês de maio foram suficientes para causar problemas sérios na estrutura viária utilizada para vencer a travessia na Serra do Corvo Branco. A tempestade Yakecan, por exemplo, simplesmente destruiu pontos da SC-370 no trecho que passa pela referida serra. A consequência foi o bloqueio de passagem, impedindo o deslocamento da produção de hortifrutigranjeiros em direção ao sul catarinense.

E…

Por passarem a depender da Serra do Rio do Rastro (que também tem passagem instável) ou a BR-282 (que aumenta em muito o trajeto), produtores que dependem da travessia do Corvo Branco foram para o trecho. Com seus tratores, máquinas agrícolas e caminhões que transportam a produção de Urubici, fizeram uma carreata até a boca da serra. Pedem providências para que a ligação seja restabelecida com urgência.

O grito de socorro daqueles que precisam da travessia para o escoamento da produção agrícola em Urubici

O protesto com faixas mesclando apelo ao Governo do Estado por melhorias e respeito à história da referida serra

O QUE SE SABE SOBRE

A SERRA DO CORVO BRANCO

Secretaria de Estado da Infraestrutura elaborou projeto, foi licitado e uma empresa, ao preço de R$ 41 milhões, faz a pavimentação da Serra do Corvo Branco, tendo iniciado o trabalho pela parte de chão batido em Grão Pará (pé da serra). Há ainda outros 5 km de chão batido no lado de Urubici e mais a travessia em si da Serra, obra deveras complexa. Embora em ritmo lento, as obras estão em andamento. Entretanto, aqueles que dependem da travessia para questões econômicas (produtos agrícolas), com o protesto, apontam que não dá para esperar vir a obra licitada. Nesta semana a Secretaria de Estado da Infraestrutura informou que há uma ação prevista para liberar a passagem de forma precária (mas com segurança). O protesto ajuda a pressionar!

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *