Geral

Reforma na Alesc: Floripa ferve!

REPRESENTANTES DE SINDICATOS DE SERVIDORES DE LAGES DESCERAM REFORÇAR O PROTESTO CONTRA A REFORMA QUE TAMBÉM DEVE OCORRER EM ÂMBITO MUNICIPAL ATÉ NOVEMBRO DESTE ANO

Mais rápido que esperado e o dia chegou. Está no plenário o debate para votação da reforma da previdência catarinense. A necessidade da mudança do regramento é inconteste porque segue na linha daquilo aprovado em âmbito nacional e válido para os servidores federais e os trabalhadores em geral. Mas há resistência. Inclusive de alguns deputados fazendo discursos de apoio a alguns setores do funcionalismo. Houve mobilização, protesto e o clima ficou tenso nos arredores da Alesc.

TENDÊNCIA

Salvo alguma mudança de rumo pelo caminho, o projeto de origem do Executivo tende ser aprovado estabelecendo idade maior para acessar o benefício, assim como teto de aposentadoria. Há ainda movimento de algumas categorias, como dos delegados de polícia que chegam ameaçar renunciar aos cargos, caso haja a aprovação dentro dos moldes propostos, sem flexibilizar alguns pontos.

Esse registro acima não é deste mês de agosto, mas da luta da Polícia Civil contra o teor da mudanças propostas na reforma da previdência catarinense

SINDICATOS LAGEANOS NO MOVIMENTO

CONTRA A REFORMA EM FLORIANÓPOLIS

Porque sabem que depois da aprovação da reforma estadual virá a providência nos municípios, representantes dos sindicatos de servidores municipais de Lages desceram à Capital. Elaine de Moraes (Simproel) e Agenor Nore Chaves (Sindserv) se somaram ao protesto em solidariedade aos colegas servidores estaduais. Os líderes sindicais lageanos entendem que o texto em apreciação na Alesc irá refletir naquilo a ser analisado no âmbito dos municípios. Na Serra Catarinense haverá reforma na previdência em Lages e Otacílio Costa, municípios com regimes próprios de previdência.

Presidentes Elaine e Nore e as bandeiras dos sindicatos lageanos na frente da Alesc integrando o protesto contra a reforma da previdência em SC

LAGES TEM DATA LIMITE

Antes de completar 2 anos da reforma da previdência nacional (em novembro), Lages precisa ter sua reforma aprovada. Não é uma opção, é uma obrigação. O município que não tomar essa providência fica sem acesso à CND Previdenciária. Acredita-se que o Executivo enviará a reforma previdenciária de Lages entre este mês e o mês de setembro ao legislativo. E a aprovação ocorre até outubro. O teor deve seguir os moldes do Estado e da União.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *