Geral

Tereza Ramos ficará sem ressonância?

Resposta a um pedido de informações do deputado Marcius Machado (PL) gera apreensão àqueles que se preocupam com pessoas que precisam de exames de ressonância magnética, mas que não possuem recursos para bancar o procedimento. Tal equipamento com certa frequência vem escangalhando e precisando de reposição de peças e manutenção. Até aí tudo bem porque, embora retarde os exames agendados, o serviço sempre é retomado.

PORÉM

Na resposta ao pedido de informações, Marcius foi esclarecido que a vida útil do aparelho existente no hospital Tereza Ramos termina em dezembro deste ano. “Data em que o hospital suspenderá o serviço de ressonância, pois não haverá mais garantia do fornecimento de peças”, diz a informação repassada.

NOVA ALA

Marcius se posiciona apreensivo com a situação, visto que o novo equipamento só estaria disponível na nova ala do hospital. “A única previsão que temos da inauguração da nova ala é voltada apenas para o segundo semestre de 2020. Até lá as pessoas serão atendidas na iniciativa privada? Não podemos realocar o equipamento?”

Marcius enviará um novo pedido de informação ao hospital buscando a média de atendimentos realizados na iniciativa privada nesses intervalos em que o equipamento esteve indisponível:

“Precisamos entender qual o investimento do Estado na iniciativa privada, quantas pessoas estão na fila, quantas pessoas já foram atendidas. Nesse meio tempo será que o valor gasto já não é equivalente a um novo equipamento para atender as demandas?”

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *