Geral

Transul precisaria cobrar mais que Uber

PERCENTUAL PARA EQUILIBRAR CONTRATO PRECISARIA REAJUSTE DE 54%

Por causa da pandemia e de outras causas (como a opção de transporte por aplicativo) a concessionária do transporte coletivo de Lages viu o passageiro desaparecer no ano que se finda. A Transul transporta atualmente pouco mais de 25% daquilo que transportava antes. Significa que 3 em cada 4 usuários deixaram de pegar os azulões da frota da empresa.

CONSEQUÊNCIA

Esse sumiço do passageiro da empresa levou a Transul a apresentar um cálculo que só piora a hipótese de tentar trazer de volta o usuário para o transporte coletivo. Considerando os atuais R$ 4,30 da tarifa, a empresa informa que precisaria praticar um reajuste de 54% sobre tal valor para equilibrar o contrato e compensar as perdas.

O QUE ISSO SIGNIFICARIA?

Significaria que se fosse praticado o reajuste de 54% a tarifa de R$ 4,30 subiria para R$ 6,62. Esse valor, para se ter ideia, é superior aos R$ 6,00 que é a tarifa mínima do aplicativo Uber e que transportaria três pessoas. Um desestímulo enorme para a utilização do transporte coletivo.

O QUE ESTÁ SE PEDINDO?

Porque sabe que 54% de reajuste é impraticável, a empresa apresentou pedido de reajuste na ordem de 9,3% na chamada tarifa normal. O problema reside que esses 9,3% estão absolutamente acima da inflação medida pelos índices oficiais.

DAÍ QUE…

Seria insensibilidade do prefeito Ceron conceder os 9,3% de reajuste ao transporte coletivo sabendo que os salários dos passageiros não alcançarão esse percentual.

Essa reunião foi na primeira semana de junho deste ano entre gestores públicos e da Transul, quando se decidiu por medidas que restringiram a quantidade de transportados nos ônibus devido à Covid-19. Tais medidas contribuíram para que se reduzisse em 73% o número de passageiros na média dos meses da pandemia

EM TEMPO

É preciso considerar que não é apenas a empresa Transul que deixou de faturar neste ano. Prejuízos, perdas, desiquilíbrios financeiros estão tendo que ser suportados pela maioria das empresas. Fato que não foi causado pelo poder público, mas por um fator externo chamado pandemia!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *