Polícia

PM prende suspeitos do ‘golpe das tintas’

Interessante essa ocorrência. A PM prendeu cinco homens suspeitos de aplicarem o chamado golpe da tinta. De acordo com relatos de populares, os homens se apresentavam vendendo tinta a preços módicos. Quando o cliente acessava o produto em latas de 18 litros, encontravam algo totalmente diferente daquilo apresentado. Como os ‘vendedores’ simplesmente desapareciam, não tinham como reverter a negociação feita.

O RELATO DAS VÍTIMAS

Segundo informado à PM, os homens bateram na porta de residências no bairro Gethal oferecendo latas de tinta da marca Suvinil. Alegam estar vendendo o produto pelo preço de R$ 100,00 – bem abaixo do valor de mercado -, porque estavam com o caminhão deles quebrado e precisavam voltar para as suas casas no Rio Grande do Sul. Garantiam que o produto era original e de qualidade. Um morador do Gethal comprou duas latas e uma mulher três. Após os indivíduos saírem do local, ambos foram abrir as latas e, notaram que haviam sido vítimas de fraude, pois o líquido era parecido com um melado.

ABORDAGEM EM HOTEL

Policiais militares receberam informações de moradores do bairro Gethal de que os homens do ‘golpe da tinta’ haviam passado por ali. Cruzaram informações e identificaram o veículo utilizado pelo grupo estacionado num hotel na parte alta de Lages. Na abordagem os suspeitos apresentaram notas fiscais que não fechavam com dados acessados no portal da Secretaria da Fazenda. “O carácter bem diferente da impressão, indicava falsificação”, informa a PM.

Uma imitação da tradicional marca de tintas e líquido tipo melado no interior das latas era o que os ‘vendedores’ entregavam nas casas depois de convencer as pessoas de que se constituía produto de qualidade

Com informações: Catarinas Comunicação

Compartilhe

1 comentário para: “PM prende suspeitos do ‘golpe das tintas’”

  1. Aqui em Araúcaria região metropolitana de Curitiba também cai nesse mesmo golpe da tinta, fui até a delegacia da polícia civil para registrar um boletim de ocorrência e o atendente disse q não ia registrar por que vender tinta falsa não é crime e q o rapas que estava vendendo não tava fazendo nada de errado. Fiquei de cara com isso, mas vou fazer o que depois dessa, só resta se conformar com o prejuízo de 800 reais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *