Política

Eleição em dezembro? Isso não é definitivo

TUDO DEPENDERÁ DO CENÁRIO DE PANDEMIA

Lideranças do PSDB fazem circular vídeo da deputada Geovânia de Sá, presidente do partido em âmbito de Estado. Ela apresenta informações sobre encaminhamentos no Congresso para adiar a eleição, a partir de uma necessária PEC – Proposta de Emenda Constitucional. A parlamentar e dirigente partidária fala em datas no mês de dezembro para a realização do processo eleitoral municipal. Tudo por causa dos efeitos e reflexos da pandemia na busca da eleição de vereadores e prefeitos.

ISSO É PREMATURO

Entenda o raciocínio. Os parlamentares federais começam a costurar a alteração de datas da eleição considerando a atual realidade vigente da pandemia da Covid-19. Porém, o futuro relacionado à doença é incógnito. Poderemos nos primeiros dias de junho já estar retornando à normalidade e, em consequência, nem precisaria de adiamento da eleição prevista para 4 de outubro.

OUTRO CENÁRIO

Com a chegada do frio, não se descarta o agravamento da pandemia – que a gente reza que não aconteça. E essa situação se arraste por meses a fio, sem um cenário seguro para o processo eleitoral.

E DAÍ…

Mesmo os parlamentares insistindo na eleição municipal ainda em 2020, o quadro agravado não recomendando campanha de rua e nem frequência a locais de votação, pode levar ao adiamento mais prolongado.

SIGNIFICA ENTÃO

Que essa posição da respeitada deputada Geovânia é relativa e não absoluta. Dependerá daquilo que ainda está por acontecer. Num cenário otimista, a eleição acontece ainda em outubro, com a baixada de poeira relacionada à Covid-19. Mas numa análise considerando hipótese de agravamento do quadro (torçamos que isso não aconteça), o eleitor não terá cabeça para pensar em eleição. E sem ambiente seguro, a votação iria para 2021.

Deputada Giovânia aqui entre tucanos de Lages (menos Hartmann que saiu do ninho) e a orientação aos pré-candidatos, como Dilmar Monarim, de que antes da chegada de Papai Noel teremos a eleição para escolher prefeito, vice e vereadores. Sim, poderemos ter eleição em dezembro. Mas isso é somente uma hipótese!

Compartilhe

1 comentário para: “Eleição em dezembro? Isso não é definitivo”

  1. Se adiar a eleição deste ano para 2021 “será o fim da picada”. Seria o máximo de contra sensu realizar uma eleição em 2021 e outra em 2022, só para atender o interesse daqueles que não querem eleição única para todos os níveis, alegando que “fica muito difícil para o eleitor”, que “restringe o exercício da democracia”.

    Para com isso: quem vota em 5 vota em 7 sem dificuldade; se houver restrição ao exercício da democracia, certamente não é pelo número de eleições num espaço de tempo.

    E ainda o mais essencial: pense na economia de recursos públicos que significará a unificação; pense na aplicação desses recursos em áreas mais carentes como saúde, segurança e educação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *