Política

Observatório desautoriza uso político

ENTIDADE TAXA DE FAKE NEWS CONTEÚDO

Advogado Paulo Roberto Forbici dos Santos, presidente da entidade Observatório Social – cujo corpo de voluntários não pode conter filiados políticos e servidores públicos – tratou de expedir nota desautorizando o uso da imagem da instituição para assinar qualquer conteúdo em relação à campanha eleitoral de Lages.

OCORRE QUE…

Colega Milton Barão foi induzido a erro ao publicar informação sobre uso de recursos do Fundo Partidário por candidatos a prefeito. Cita que Carmen Zanotto e Lucas Neves tiveram acesso a valores do Fundão para financiar a campanha. E a informação é ilustrada com uma foto dos candidatos e a ‘assinatura’ do Observatório Social.

NOTA ESCLARECE

“Informamos a todos que se trata de fake news. O OSB Lages, como pode ser verificado pela página da instituição, não realizou qualquer publicação como a que aparece na imagem. Temos maior respeito e zelo pelos trabalhos em tempos de eleições e não podemos coadunar com essa situação”. É o que diz a nota enviada pelo advogado que preside o Observatório Social de Lages.

Presidente do Observatório não entra no mérito do conteúdo, mas contesta assinatura da entidade no teor divulgado para setores da imprensa tentando dar maior credibilidade àquilo informado

 

SOBRE O USO DOS FUNDOS

O uso dos recursos do Fundo Partidário e/ou Fundo Eleitoral pelos candidatos a prefeito ou vereador na eleição deste ano não é crime. Também não é ilegal. Da mesma forma não é imoral. É somente opcional. Tem aqueles que optam pela não utilização e outros que irão usar de tais recursos.

SAIBA QUE…

O fato de um candidato não utilizar os recursos de tais fundos, não significa que o montante retorna para investimentos em setores da sociedade (Saúde, Educação). A verba já está carimbada para esse fim. E a destinação acaba ocorrendo para outros candidatos do mesmo partido, de repente, em outros municípios. O uso, como citamos, é absolutamente opcional.

DESTAQUE-SE

Lages tem dois candidatos na majoritária que optaram pela não utilização: Airton Amaral (Patriota) e Antônio Ceron (PSD). Há vereadores anunciando que não irão recorrer aos recursos do Fundão. Porém, essa verba dificilmente chega para quem concorre a vereador. Quando chega, no máximo vai para a conta da majoritária para arcar com despesas diversas. Em regra, claro.

Campanhas como de Gerson Omar dos Santos publicitam o não uso dos recursos dos fundos. Talvez por opção, talvez pelo fato de que esses recursos se quer chegariam aos candidatos a vereador, limitando-se às majoritárias.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *