Política

Sepultado impeachment contra Moisés

“A representação, para ser recebida, deve descrever detalhadamente os atos praticados pessoalmente pela autoridade denunciada no exercício de suas funções, colacionando evidências que suportem as alegações. A descrição genérica dos fatos imputados ao governador contraria a Constituição Federal, na medida em que inviabiliza o direito de defesa”.

Teor acima integrou o parecer da Procuradora Geral da Alesc, Gláucia Mattjie, recomendando o arquivamento do pedido de impeachment contra o governador Carlos Moisés e a vice Daniela, protocolado pelo defensor público Zimmer Júnior. “A presente denúncia não torna explícito que atos eventualmente teriam sido concretamente praticados pela autoridade denunciada”.

JÚLIO GARCIA

SOBRE O IMPEACHMENT 

“O impeachment é um instituto criado para situações graves, extremas, de crise”, afirmou o presidente da Assembleia, deputado Júlio Garcia (PSD). “O afastamento de um governante eleito pelo voto popular é uma coisa muita séria. Foi isso que a Procuradoria entendeu e eu segui esse entendimento”.

Presidente da Alesc, Júlio Garcia, sepultando o primeiro pedido de impeachment contra o governador Carlos Moisés. De se lembrar que esse tipo de pedido é corriqueiro. O então governador Colombo foi alvo de quase uma dezena de pedidos do gênero, sendo que nenhum prosperou.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *