Política

Vaias: Moisés tira de letra saia justa na Alesc

Na leitura da mensagem ao legislativo, governador Carlos Moisés falou sobre três temas. Um deles a chuva de vaias quando esteve no parlamento. Também abordou sobre a reforma da previdência e a representação de um defensor público que protocolou o primeiro pedido de impeachment contra ele:

IMPEACHMENT

“Acreditamos no arquivamento (…). Não houve ato do governador nem da vice. Houve cumprimento de uma decisão judicial”.

VAIAS NA ALESC

“Toda manifestação é legítima, aqui é a Casa do Povo e é natural que as pessoas venham pra cá expressem suas vontades e seus desejos. Os parlamentares têm o papel de receber essas manifestações e filtrar com muita responsabilidade”.

PREVIDÊNCIA

“Os outros Estados também estão fazendo a reforma. Nossos vizinhos, Paraná e Rio Grande do Sul, já fizeram (…). E não queremos acompanhar alguns Estados que se inviabilizaram financeiramente por causa dos déficits de suas previdências”.

Carlos Moisés, sempre econômico nas palavras, durante a passagem pelo parlamento catarinense, ao lado do presidente Júlio Garcia

MP ARQUIVA

Se os deputados considerarem o entendimento do Ministério Público, o pedido de impeachment feito pelo defensor Ralf Zimmer não prospera. O procurador Fernando Comin, num parecer devidamente embasado, recomendou o arquivamento do pedido. Entende que não há qualquer elemento que justifique a abertura de uma ação contra o governador.

Para você entender, o defensor Zimmer apresentou a mesma denúncia no MP/SC e na Alesc. Daí que na Procuradoria de Justiça o parecer foi pelo ‘sepultamento’ do assunto. Presidente da Alesc, Júlio Garcia, falando na NSCTV, acenou que no parlamento o pedido deve seguir o mesmo caminho: o arquivo!

SOBRE A REFORMA

PREVIDENCIÁRIA EM SC

Presidente Júlio Garcia quer dar o assunto (projeto) por resolvido até final de março. A tendência é que as regras a serem aplicadas aos servidores estaduais catarinenses sigam as mesmas que a União implementou ao funcionalismo federal. Mas como em âmbito nacional, a reforma não é uma opção, mas uma necessidade. E esse encaminhamento deverá ecoar também nos municípios que têm regimes próprios, como Lages e Otacílio Costa, aqui na Serra Catarinense.

Servidores estaduais que serão submetidos às mesmas regras para aposentadoria que aquelas implementadas ao funcionalismo federal não estão gostando. Culpam o governador por implementar o novo sistema. Porém, se o governador eleito fosse Merísio, Mauro Mariani, Décio Lima, qualquer um deles teria que fazer a mesma coisa!

Fotos: Rodolfo Espínola e Fábio Queiroz/Alesc

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *