Política

Jair Júnior acerta duas no ‘fígado’ do Paço

Se considerado o propósito de reunir dados e fatos que gerem no mínimo questionamento, o vereador Jair Júnior, colega de PSD do prefeito Ceron, pode considerar que a semana que fecha foi produtiva. Ele ‘abriu os trabalhos’ apontando nomes e relação parental entre 12 pessoas que ocupam funções comissionadas na prefeitura. Aos olhos da Súmula 13 do STF, salvo melhor juízo – ou talvez por falta de melhor juízo de quem nomeia – a dúzia pode estar simbolizando a fina flor do nepotismo.

DIZ A SÚMULA 13 QUE...

“A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança ou, ainda, de função gratificada na administração pública direta e indireta em qualquer dos poderes (…) viola a Constituição Federal”.

CONTA DE R$ 4 MILHÕES

E para fechar a semana, Jair Júnior foi para as redes sociais apontar uma situação que não tem nada de irregular. Porém, a situação gera questionamentos sobre prioridades. Segundo relata o vereador, nesse tempão de 28 meses do atual governo foram gastos R$ 4.013.731,19 com telefone celular que é utilizado por variados integrantes da administração. E ele compara que os investimentos estruturais na área da Educação recebeu no período R$ 2.123.202,76. Encerra apontando que o problema não é falta de dinheiro, mas de prioridade.

Jair Júnior no papel dele levantando dados e sendo provocativo. Sozinho tem feito mais barulho que o restante da oposição somada. E olha que ele é do partido que administra o Paço.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *