Política

Veto: A razão de Carmen, Amin e Jorginho

PARLAMENTARES QUERIAM AJUDAR SERVIDOR DA COVID-19

A marcha da incompreensão alimentada pelas redes sociais e reverberada aqui e ali pelo desconhecimento da matéria, ajudou jogar pedras de forma injusta a três parlamentares catarinenses na análise do veto do Presidente Bolsonaro ao projeto que concedia aumento a servidores públicos.

ENTENDA A QUESTÃO

Por causa da pandemia o projeto enviado ao Congresso congelava o reajuste do funcionalismo público em todas as esferas desde maio deste ano até 31 de dezembro de 2021. Ao analisarem a matéria, parlamentares excluíram desse ‘congelamento’ os salários de servidores que atuam diretamente no combate à pandemia. O projeto foi ao Presidente que vetou essa exceção, mantendo o não reajuste a todos.

MAS…

Ao retornar às casas legislativas, os senadores Amin e Jorginho Mello votaram pela derrubada do veto somente e tão somente nessa parte que deixava de dar reajuste aos profissionais de saúde e técnicos que atuam diretamente no enfrentamento à Covid-19. Na Câmara, a deputada Carmen Zanotto votou na mesma linha: derrubar o veto somente da parte que impedia reajuste aos enfermeiros e enfermeiras, médicos e demais profissionais que atuam na linha de frente combatendo a doença.

ENTÃO

Não se tratou, portanto, de uma sabotagem ao governo federal, muito pelo contrário. “Os profissionais da linha de frente contra a Covid-19, precisam mais do que homenagens e aplausos. Eles precisam de valorização profissional”, defende Carmen Zanotto, cuja postura deve ser reconhecida na defesa exatamente daquelas pessoas que, inclusive, perdem a vida para salvar outras vidas.

LOGO E PORTANTO

A gente não havia abordado o assunto aqui na página, mas em respeito à realidade dos fatos, registre-se que a postura de Amin, Jorginho e Carmen Zanotto não se constituía sabotagem à política de contenção de gastos, até porque faz sentido que os servidores deixem de ter reajuste em tal período, como evidência de que todos devem se sacrificar para equilibrar o País nesse período que virá pós-pandemia. Todos, exceto o profissional de saúde que mereceria esse aceno de valorização porque está lá na linha de frente, isolando-se da família e até perdendo a vida, como se verifica até mesmo em Lages.

Jorginho Mello inclusive gravou conteúdo esclarecendo a postura do voto pela derrubada do veto somente para ajudar profissionais que atuam no enfrentamento da Covid-19

Além de Jorginho, somente Amin e Carmen Zanotto tiveram coragem de votar pela derrubada do veto. Não para descongelar salários de servidores públicos, que é inquestionável a necessidade de que esses deem a parcela de contribuição para a contenção de gastos, mas para valorizar os profissionais da saúde que trabalham no enfrentamento à pandemia.

E…

Se alguém é contra a valorização desse profissionais de saúde, como pretendiam valorizar Carmen, Amine  Jorginho, é de uma ingratidão sem tamanho!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *