Serra SC

Caminhos da Neve: Reunião de Urubici

Não há nada definitivo ainda para relatar àqueles que aguardavam desdobramento sobre duas demandas de infraestrutura aqui da Serra Catarinense, a partir da reunião de Urubici. Objetivo da conversa da sexta-feira, 14, foi mais manter o assunto em evidência e cobrar celeridade tanto ao Governo do Estado, através da Secretaria da Infraestrutura, quanto ao Governo Federal, quando a rodovia Caminhos da Neves estiver, definitivamente no SNV e, por tabela, entregue ao DNIT.

SOBRE OS CAMINHOS

Deputado Marcius esteve presente quando falou sobre o fato de restarem ’10 quilômetros de trajeto intenso’ da ligação entre São Joaquim até a divisa com o RS, na chamada Ponte das Goiabeiras. Na verdade o trajeto não é intenso. Há um tráfego local nesse trecho, mas a obra de asfalto desde o entroncamento do acesso a São Sebastião do Arvoredo por São Francisco Xavier requer investimento diferenciado por não se constituir uma rodovia comum, mas com bastante declive.

DISSE MARCIUS

“Em nível estadual, entraremos em contato com o Thiago (Thiago Vieira, que substitui o coronel Carlos Hassler na Infraestrutura) para buscar novas datas para a conclusão da Serra do Corvo Branco. Quanto a Ponte das Goiabeiras, fizemos o possível para aprovar a federalização ainda em 2019, pois se deixássemos para este ano, teríamos de esperar até 2021 para finalizar o projeto. Acredito que o ideal agora é uma audiência com o DNIT e os deputado gaúchos para concluir esse trâmite e entregarmos enfim a ponte para a população”.

A reunião de Urubici inclusive com um prospecto (direita) do que seria a nova Ponte das Goiabeiras na travessia do rio Pelotas (SC e RS). Para não criarmos uma expectativa muito devereda aos serranos, mesmo que transcorresse sem nenhum tipo de atraso nos procedimentos, uma obra dessas não sairia antes de 2025

Superintende do DNIT, engenheiro Ronaldo Carioni (de gravata) acompanhou a demanda relacionada ao repasse da rodovia à autarquia, algo que ainda não ocorreu em definitivo. E somente depois disso que iniciariam as tratativas para prever recursos visando elaboração de projeto, depois mais verba para a obra em si. Tudo que, naturalmente, demanda tempo.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *